Poema
Vamos Sair do Nevoeiro
'Vamos sair do nevoeiro, Portugal.
Por de trás do nevoeiro em que nos encerramos,
está quem somos de verdade,
um povo aberto, aventureiro e corajoso
Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos ousar existir e lançar-nos para além do medo.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Por de trás do nevoeiro em que nos encerramos, está quem somos de verdade, um povo aberto, aventureiro e corajoso.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos rasgar o entorpecimento e erguer-nos da letargia pantanosa.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos enformar a nossa matéria bruta. vamos deixar que o sangue grego, celta, romano e árabe nos corra pelas veias e irrigue o nosso Coração Lusitano.

Vamos sair do Nevoeiro, Portugal. Vamos deixar o bárbaro em nós ascender ao cosmos e alinhar-se com o sagrado.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos abandonar o medíocre, a pequenez, o queixume e a inveja. Vamos abraçar a nossa Verdadeira Natureza – grande, digna e poderosa.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos lançar o complexo de inferioridade às chamas, vamos queimar o velho, o fardo e o peso do passado. Vamos encarnar o nosso verdadeiro Poder.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos deixar de nos fixar no medo e abrir o nosso Coração, caloroso, aberto e disponível.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos deixar a suspensão por uma promessa ou um Dom Sebastião, à espera da salvação. Não há nada lá fora que não haja já cá dentro. Vamos reconhecer que o outro, somos nós.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos deixar cair crenças que nos limitam e velejar empurrados pelos ventos comandados pelo coração.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos transformar e ascender do marasmo, transmutar as forças da morte, em forças de vida.

Vamos sair do nevoeiro, Portugal. Vamos gritar a plenos pulmões e aos sete ventos, que somos quem somos, como somos, com orgulho!


Vamos sair do nevoeiro, PORTUGAL!